quarta-feira, 27 de maio de 2015

Mente carnal e mente espiritual!

Mente carnal e mente espiritual!

“Disto também falamos, não em palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas ensinadas pelo Espírito, conferindo coisas espirituais com espirituais. 14Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. 15Porém o homem espiritual julga todas as coisas, mas ele mesmo não é julgado por ninguém. 16Pois quem conheceu a mente do Senhor, que o possa instruir? Nós, porém, temos a mente de Cristo.” 1 Coríntios 2:13-16.

Quando Deus escolhe Moisés para libertar o povo de Israel do Egito, vai contra todas as opções lógicas humanas de escolha. Moisés não era visto pelo povo de Israel com bons olhos, não tinha uma boa dicção e era rude no falar. Para piorar a situação, Moisés ao tentar defender um escravo israelita, mata um soldado egípcio e aumenta ainda mais a sua crise de autoridade. Apesar dos erros de Moisés ao tentar se firmar como autoridade sobre o povo, Deus não muda a sua escolha. Moisés era o escolhido.

A ação de Deus é soberana e muitos nos dias de hoje não entendem a Deus, não entendem as escolhas de Deus, não entendem porque Deus prefere usar homens simples ao invés de usar sábios e entendidos. Deus não escolhe capacitados, mas capacita os seus escolhidos, não com capacidade humana, mas espiritual, que exige dependência total de Deus.

Moisés não tinha nada de agradável para o povo de Israel. Durante todo o tempo de permanência no deserto o povo murmurou contra Moisés. E esta murmuração chegou a irritar Moisés a tal ponto que Deus não permitiu que Moisés entrasse na terra prometida.

A autoridade de Moisés foi questionada não só pelo povo de Israel. Os magos do Egito, Janes e Jambres, quando viram que Moisés tocara nas águas com sua vara e a água se transformara em sangue, não entenderam que aquilo não foi um truque de Moisés, uma mágica humana, mas foi o poder de Deus liberado através da vida de Moisés. Janes e Jambres, com sua inteligência e habilidades de magia pensaram na sua mente carnal: nós também conseguimos fazer isso.

Quantas pessoas hoje tem olhado para os pastores, para os homens chamados por Deus e tem dito: eu também posso fazer isso. Muitos tem se auto intitulado pastores, achando que qualquer um posso assumir a função pastoral. Muitos tem entrado para o ministério por causa do púlpito, por causa da fama, por motivos egoístas e carnais, não por causa de uma chamada divina. Um pastor sem chamada divina é uma semente para escandalizar o evangelho.

Moisés não se intimidou, não se atemorizou, porque sabia que Deus estava fazendo grandes milagres através dele, apesar de sua fraqueza. Vejo muitos pastores sendo desonrados nos dias de hoje, muitos deles trabalhando há mais de 40 anos no ministério, mas jamais abandonaram o chamado porque foram chamados pessoalmente por Deus. Moisés tinha a mente de Cristo, disposto a morrer, disposto a enfrentar o povo e disposto a enfrentar o Faraó. Ninguém estava do seu lado. Só Deus. Faraó queria a sua cabeça, o povo queria a sua cabeça. Até Arão e Miriã o desafiaram. Mas ele tinha intimidade com Deus e esta intimidade foi o que o manteve firme no propósito de levar o povo para a terra prometida, libertando-o da escravidão.

Nos dias de hoje, precisamos lembrar que Deus é o mesmo Deus dos dias de Moisés. Deus é o mesmo ontem, hoje e será eternamente o mesmo. Deus não mudou o seu padrão de santidade. Jesus não mudou a sua mensagem. A humildade ainda é requisito básico para se achegar a Deus. A convicção de pecados é inevitável para aquele que se aproxima de Deus. Falando de mim, Filipe, cada vez que me aproximo de Deus vejo o quanto ainda sou pecador, miserável, e que Deus só Deus pode me amar assim. Mesmo assim, preciso me esforçar para alcançar o descanso eterno.

Não podemos pegar a Bíblia e com a mente humana tentar compreendê-la. Precisamos da ajuda do Espírito Santo para trazer revelação. Quanto mais na hora de pregar esta Palavra. Posso preparar um sermão, uma pregação, totalmente independente da ajuda do Espírito, apenas com minha inteligência. Até pode ser uma pregação bonita, mas será uma palavra sem revelação.

Aqueles que ouvem uma mensagem revelada de Deus, se não tiverem os ouvidos abertos pelo Espírito Santo, ou se tentarem ouvir com sua mente intelectual, também não conseguiram ouvir o que o Espírito quer dizer. Muitos não aceitam o pastor que tem. Quando o pastor prega, rejeitam a mensagem, condenam a forma do pastor pregar, os seus erros de português, e perdem totalmente a Palavra revelada de Deus. Tudo porque ainda não tem a mente de Cristo.

Em Colossenses 2:18 e 19 diz: “Ninguém se faça árbitro contra vós outros, pretextando humildade e culto dos anjos, baseando-se em visões, enfatuado, sem motivo algum, na sua mente carnal, e não retendo a cabeça, da qual todo o corpo, suprido e bem vinculado por suas juntas e ligamentos, cresce o crescimento que procede de Deus.”

As partes do corpo de um homem se submetem umas às outras, para obedecer a ordem da cabeça. No corpo de Cristo, da mesma forma, precisamos aprender a obedecer e jamais questionar. Quando alguém começa a questionar tudo que é dito pelo seu pastor, essa pessoa está doente, não tem a mente de Cristo e está apta a se tornar uma semente divisionária no meio da igreja, causando divisão, incredulidade e rebeldia.


Faça uma avaliação: Você tem a mente de Cristo? Submisso ao cabeça como Cristo é submisso ao Pai? Você se submete ao seu pastor sem questionar ou você ainda se acha mais capaz, mais inteligente, mais sábio, mais excelente? Precisamos morrer! Morrer para este mundo, para os desejos carnais que nos fazem pecar, para que Cristo possa crescer em mim. Convém que ele cresça e que eu diminua.