sexta-feira, 30 de junho de 2017

Qual a sua identidade no Reino de Deus?

Texto chave:para memorizar: Disse-lhes, pois, Jesus: Quando levantardes o Filho do Homem,  então, sabereis que EU SOU  e que nada faço por mim mesmo; mas falo como o Pai me ensinou.E aquele que me enviou está comigo, não me deixou só, porque eu faço sempre o que lhe agrada. - João 8.28–29
Introdução:

Há uma crise de identidade muito grande no meio da população, fruto de famílias desestruturadas, relacionamentos quebrados, famílias divididas, abandono dos pais, etc. Mas é interessante notar que em alguns aspectos, as pessoas não abandonam a sua identidade. Por exemplo, você já viu alguém mudar o seu time de futebol como torcedor? Não conheço, e se existirem, são raros os casos. Há, também, os casos de identidade espiritual. Por exemplo, homens alcoólatras, cujos pais eram alcoólatras e os filhos seguiram no mesmo caminho, trazendo dor e sofrimento a toda a família, e apesar disso, é tido como uma situação normal por muitas pessoas.
Na sua carteira de identidade, você vê o nome do pai e o nome da mãe. Ali é estabelecido o seu sobrenome, ou o nome da família à qual pertence, o país em que nasceu, a data em que nasceu.
Com o passar dos anos, como fruto de uma era pós-moderna, pós-ditadura, o povo se levanta contra todo tipo de regras comportamentais impostas pelo governo e pela própria sociedade e vemos uma liberação do sexo, liberdade de expressão, vemos o surgimento do movimento dos hippies e hypster, se rebelando contra tudo, contra o status-quo existente.
Há alguns anos atrás, as pessoas votavam em um candidato político por causa da sua ideologia partidária. Nas últimas eleições, as pessoas procuram candidatos segundo os benefícios que podem receber, pensando apenas em si mesmas. Na última eleição, grande parte dos eleitores se absteve, porque não sabem em quem votar, ou não acreditam em mais ninguém, porque os seus desejos foram frustrados. Esta é a identidade brasileira, da pátria mãe, da padroeira, que trata todos como incapazes, como crianças indefesas e os mantém reféns para manipular como e quando quiser. Esta geração é a geração da bolsa de estudo, da bolsa família, da bolsa presídio, da bolsa de assistência. Para elas não existe outro tipo de vida a não ser pedir. E um dos problemas do brasileiro é que quer receber tudo de graça, só quer viver de doação, de assistencialismo.
Cada país tem uma identidade atribuída a seu povo. Do brasileiro, pode-se dizer que é religioso e idólatra, povo do carnaval, do futebol, mas também trabalhador e lutador, povo pobre, mas também corrupto, que aplaude a lei de Gerson, de sempre querer levar vantagem, mesmo que isso seja ilegal. Do americano, pode-se dizer que é um povo capitalista, que só pensa em si mesmo, que faz guerras para defender qualquer coisa. Do alemão, do inglês, do francês, pode-se dizer que são povos que não gostam de se relacionar como o brasileiro e que são mais fechados em seus relacionamentos. Dos iraquianos, iranianos, afegões, pode-se dizer que são povos mal-tratados, e que por isso se tornaram violentos e distribuem ódio em muitos lugares na busca de uma paz interior, na busca por justiça.
Mas lembre-se: Somos do Reino de Deus! Estamos no mundo, mas não somos mais do mundo. Ele nos libertou do império das trevas  e nos transportou para o reino do Filho do seu amor, no qual temos a redenção,  a remissão dos pecados. (Colossenses 1:13-14). Jesus disse: Eu lhes tenho dado a tua palavra, e o mundo os odiou, porque eles não são do mundo, como também eu não sou. Não peço que os tires do mundo, e sim que os guardes do mal. Eles não são do mundo, como também eu não sou (João 17:14-16).
No Reino de Deus, a nossa identidade é outra. Jesus em nós é a esperança da glória. Paulo nos ensina em Romanos 7:4: Assim, meus irmãos, também vós morrestes relativamente à lei, por meio do corpo de Cristo,  para pertencerdes a outro, a saber, aquele que ressuscitou dentre os mortos, a fim de que frutifiquemos para Deus. Por isso, a sua identidade não é mais familiar ou sanguínea, ou por nacionalidade. A sua identidade é divina, é sobrenatural e ela só vem, negando a identidade terrena, do eu, diminuindo, se negando, para que Ele cresça, para que a Sua vontade se estabeleça, porque Jesus Cristo em nós, é a esperança da Glória. Somos do Senhor, porque Dele e por Ele, e para Ele são todas as coisas.
O Senhor procura trabalhadores para a sua seara. Se Você foi achado por Ele, apresente-se para trabalhar para o Senhor, olhe só para Ele e veja o quanto Ele fará na tua vida. Mesmo que não tenha dinheiro no banco, nem muitos bens ou riquezas, você é rico em Cristo. Isto faz parte da tua identidade.
Para entrar no Seu Reino, precisamos de Jesus, e Jesus disse que para segui-lo tem que: negar a si mesmo, dia a dia tomar a sua cruz, e aí, então, pode segui-lo. Se você é discípulo, olhe para Jesus, e mantenha os olhos Nele. Esqueça as afrontas, perdoe os pecados dos outros e libere as mágoas do coração pois não servem para dar vida, mas para aprisionar, pois são instrumentos do diabo. Jesus veio para dar vida e vida em abundância.

Evite o caminho do abandono. Muitos trocam o cônjuge e abandonam a família; por qualquer coisa se divorciam. Por qualquer coisa mudam de igreja, abandonam seu pastor. Quem abandona a igreja, abandona o seu pastor. Cuidado. Muitos falsos profetas tem se introduzido para enganar pessoas, dizendo que tem unção especial, se auto proclamando apóstolos, se auto proclamando pastores, vendendo óleo de Israel, dizendo que tem unção disso ou daquilo, e até fazendo "macumbaria gospel". Eu tenho um Deus e tenho um pastor que me ganhou para Jesus. Eu tenho identidade e por isso devo honra, respeito e submissão ao meu pastor e igreja. E você? Não abra mão dessa identidade. Você tem pai espiritual, que te gerou, que te discipulou? honre a ele. E assim, estará honrando a Deus.